A noite dessa terça-feira (5/6) promete render goleada para o Brasil. Será a noite de gala da mais importante premiação da dança mundial, o Benois de la Danse, tido como o “Oscar” das sapatilhas. Ele acontece desde 1991 no Teatro Bolshoi, em Moscou, e nesse ano o Brasil promete fazer gol de placa, concorrendo em todas as cinco categorias competitivas, exatos dez dias antes de a Copa do Mundo dar a partida na capital russa. Além disso, a prima ballerina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro Nora Esteves é a primeira brasileira a fazer parte do júri e também será homenageada pelo evento, que já reverenciou nomes da dança internacional como Alícia Alonso, Mikhail Baryshnikov, William Forsythe, Maurice Béjart e outra brasileira, Marcia Haydée.

Nora esteves posa no Theatro Municipal do Rio de Janeiro para o ÁS (Foto: Daniel Benassi para Ás na Manga)

Benois de la Danse: cerimônia de gala da 26ª edição do mais importante prêmio da dança internacional acontece na noite desta terça-feira no Teatro Bolshoi, na capital russa (Foto: Divulgação)

No coração de Moscou, o emblemático Teatro Bolshoi se prepara para a gala que selecionará os melhores da dança mundial nesta noite de terça-feira (5/6) (Foto: Instagram)

Premiação master das sapatilhas: a cerimônia em solo russo, no lendário Teatro Bolshoi, costuma ser comparada ao Oscar, pelo número de celebrities do mundinho da dança e pelo acabamento cênico (Foto: Divulgação)

“Conheço todo mundo no meio da dança. Dancei em diversas companhias fora do Brasil; fui coreografada por uma turma bacanuda como Roland Petit, Robert Joffrey (do Joffrey Ballet) e Jerome Robbins [lenda da Broadway com obras-primas como “West Side Story]. O convite veio pela Nina Loory, presidente da seção americana do prêmio, via indicação de Luigi Bonino, com quem dancei no Les Ballets de Marseille, do Petit”, arremata a ariana de 69 anos, ainda com o shape do manequim 38, da época em que ingressou no TRJ, aos 14 anos.

Com 54 anos de carreira, Nora Esteves celebra a sua trajetória no palco do Bolshoi, em Moscou, nesta noite de terça-feira (5/6). Dos tempos de iniciante soba  batuta de Tatiana Leskova, permanecem o rigor, o talento e o corpinho de sílfide! (Foto: Daniel Benassi para Ás na Manga)

(Foto: Daniel Benassi para Ás na Manga)

Radicados fora do país, Amanda Gomes, 22 anos, primeira-bailarina do Balé da Ópera de Kazan, na Rússia, e Daniel Camargo, 26, bailarino principal no Dutch National Ballet, dos Países Baixos, concorrem nas categorias feminino e masculino.

A brasileira radicada na Rússia Amanda Gomes concorre como melhor bailarina no palco do Teatro Bolshoi na 27ª edição do Benois dela Danse (Foto: Reprodução)

E, numa espécie de ponte aérea Rio-Moscou, um quarteto de responsa promete botar tapioca no goulash: vindo direto da Cidade Maravilha, a coreógrafa Deborah Colker, 58, o cenógrafo Gringo Cardia e os músicos Berna Ceppas e Jorge Du Peixe podem vir a incendiar o Teatro Bolshoi, caso arrebatem os prêmios respectivamente de ‘Melhor Coreógrafo’, ‘Melhor Cenógrafo’ e ‘Melhor Trilha Sonora’, todos pelo seminal espetáculo Cão Sem Plumas“, da Cia. Deborah Colker, atualmente em turnê, primeira obra do seu repertório com temática regional, que interpreta em movimento o poema homônimo de João Cabral de Melo Neto em resultado brasileiríssimo, mas nada étnico, bem universal.

“Cão sem Plumas”, do Capibaribe ao Volga: quem diria, as agruras do cotidiano árduo de quem vive no entorno do rio nordestino, tema do mais recente espetáculo da Cia. Deborah Colker, cruzaram o Atlântico para impressionar a banca de jurados do Benois de la Danse (Foto: Divulgação)

Confira abaixo o vídeo de divulgação de “Cão Sem Plumas” (Divulgação):    

“Eu me sinto uma artista plural, não me prendo só à dança. Dirigi Ovo do Cirque du Soleil, já fiz muita comissão de frente na Sapucaí, espetáculo na abertura da Rio 2016 no campo do Maraca. Não costumo ligar muito para essas premiações de dança, acho herméticas. Mas, quando vi a representatividade do Benois, me encantei. Vamos ver. Importante mesmo é participar, e já me sinto honrada”, manda Deborah na lata. O prêmio já laureou em coreografia gente da batuta de Jiri Kylián, Roland Petit, Angelin Preljocaj, Nacho Duato e John Neumeier. Se ela ganhar, estará em ótima companhia.

Salto olímpico na Praça Vermelha: a coreógrafa Deborah Colker celebra diante do Kremlin neste último domingo a consagração do balé “Cão Sem Plumas” em território russo. O espetáculo criado em 2017 foi selecionado para concorrer a ‘Melhor Coreografia’ no Benois de la Danse (Foto: Instagram)

Em tempo: enquanto a coreógrafa enfant terrible celebra sua presença na terra dos czares, a Cia. Deborah Colker inicia nesta terça uma nova turnê pelo interior de São Paulo, Minas e Região Centro-Oeste, apresentando “Cão Sem Plumas” em cidades como Campinas, Uberlândia, Campo Grande e Cuiabá”, após rodar nestes dois últimos meses o Nordeste, Vitória e o Sul do Brasil, além do Rio. No segundo semestre é a vez de Belo Horizonte, Juiz de Fora, Petrópolis, da capital paulista e dos Estados Unidos.

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.