O carioca Gustavo Carvalho nunca precisou sair do Brasil para ter cabeça de globetrotter. Cosmopolita de carteirinha, se formou no Senai CETIQT e se mudou de mala e cuia para São Paulo, cidade que o fascina. Lá, trabalhou com expoentes do segmento de alta moda, como Reinaldo Lourenço, antes de enveredar pela sua marca própria homônima, se destacando nas últimas edições da Casa de Criadores. De lá para cá, o rapaz cresceu e suas coleções contemporâneas – que podem ser usadas do circuitão Elizabeth Arden à Groelândia – estão aí para provar que ser cidadão do mundo transcende o berço. Após sua primeira viagem internacional (ao Chile, onde apresentou trabalho na passarela), o moço – influenciado pelos ares da mais europeia das cidades sulamericanas – se deixou levar pelo “sportswear e uma visão de moda mais individualista”, afirma ao apresentar seu outono inverno 2016. Diga-se de passagem, agora com um pé na loucura de quem é jovem e ainda pode-se dar ao luxo de mudar e experimentar à exaustão.

Motivado pelo que ele considera “uma utopia jovem” e tendo como ponto de ignição as manifestações populares de junho de 2013 no Brasil, ele trouxe essa recente vivência política para sua obra, quase chegando a trocar a casa pela rua para observar de perto a construção de uma nova cultura urbana. Ele invadiu espaços, adentrou ocupações e residiu em uma delas por quase três meses, usando seus contrastes como matéria-prima para a criação. Parece radical? Talvez. Mas Gustavo gosta mesmo de se revelar enfant terrible. Quem o conhece, sabe…

Gustavo Carvalho roda a baiana, ops... se inspira nos parangolés de Hélio Oiticica e flana pela arte (Foto: Divulgação)

Gustavo Carvalho roda a baiana, ops… se inspira nos parangolés de Hélio Oiticica e flana pela arte (Foto: Divulgação)

Do período em que vivenciou a ocupação artística Casa Amarela, o designer trouxe o “desejo de pintar e de se tornar artista”, como ele mesmo afirma, transformando o resultado desse processo investigativo em método de indagação. Ele pesquisou a poesia musical de Cazuza, ouviu Pink Floyd, fez performances, se vestiu de drag e até se entregou ao Teatro Oficina de José Celso Martinez. Em suma, pintou o sete. E Okay: para um estilista, pensar arte é algo que pode parecer cabeça demais num país onde a moda quase agoniza com a recessão econômica. Mas, quem disse que Gustavo é do tipo que se contenta somente com “criar roupa”? Ele curte ir além, ama conceituar e, claro, para ele é desse tipo de epifania que surge o estilo, reflexo de um modus operandi com cunho antropologista.

Pop artsy: Gustavo Carvalho vai ao fundo do pote e assume a arte como inspiração master do inverno 2016, além de ser mais um que discute a questão de gêneros, na ordem do dia (Foto: Divulgação)

Homem ou mulher pop artsy? Gustavo Carvalho vai ao fundo do pote e assume a arte como inspiração master do inverno 2016, além de ser mais um que discute a questão de gêneros, assunto na ordem do dia (Foto: Divulgação)

Na nova coleção, Ocupações artísticas“, comparecem referências do mundo das artes: a arquitetura de Lina Bo Bardi, os parangolés de Hélio Oiticica e os manifestos de Oswald de Andrade. Assim, Gustavo vai questionando a relação entre arte e vestuário usado como libertação do corpo. Essa liberdade faz cair por terra a distinção de gêneros (assunto na ordem do dia; uma hora Gustavo ia acabar se rendendo ao tema) e, nessa temporada, a separação de sexos sai de cena para dar espaço a roupas sem artigo definido na frente, com performers ocupando aquele espaço antes delimitado por homem e mulher.

Confira o vídeo da nova coleção (Divulgação):

Confira abaixo a nova coleção do estilista (Fotos: Kaiquet Talles e beleza de Rafael Guapiano / Divulgação):

Gustavo Carvalho inverno 2016 foto 2 Gustavo Carvalho inverno 2016 foto 3 Gustavo Carvalho inverno 2016 foto 4 Gustavo Carvalho inverno 2016 foto 6 Gustavo Carvalho inverno 2016 foto 8

Gustavo Carvalho inverno 2016 foto 10 Gustavo Carvalho inverno 2016 foto 11 Gustavo Carvalho inverno 2016 foto 14 Gustavo Carvalho inverno 2016 foto 15 Gustavo Carvalho inverno 2016 foto 16 Gustavo Carvalho inverno 2016 foto 17 Gustavo Carvalho inverno 2016 foto 18 Gustavo Carvalho inverno 2016 foto 19 Gustavo Carvalho inverno 2016 foto 20

Reaproveitamento de materiais, como o tapete plástico da casa do estilista, contracenam com gabardines, jeans, suplex, moletom, moletinho, couro, neoprene, brocados, pele sintética e até um patchwork feito com aproveitamento de quadros. Como destaque, nove prints exclusivos feitos com grafite, bordado e pintura sobre tecido. Confira o vídeo da performance-instalação apresentada pelo estilista na última edição da casa de Criadores, em outubro:

Vídeo (Divulgação)

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.