Lino Villaventura ficou a última temporada sem desfilar, após três shows seguidos no curto espaço de dois meses e meio, há um ano, em três semana de moda diferentes. Houve até quem reclamasse que as coleções ficaram parecidas, sem entender o esforço que significa por de pé tantas peças slow fashion ou que as apresentações sequenciadas tratavam de um tema que foi evoluindo intuitivamente na cabeça do criador. Há seis meses, foi o próprio estilista quem confessou ao ÁS: “Preciso dar um tempinho para respirar, reciclar pensamentos e voltar a criar”. O resultado do hiato pode ser visto nesta terça-feira (22/3) na SPFW, quando Lino fechou a noite com chave de ouro. Nesta quinta, ÁS tomou aquela café da manhã com o designer que, agora mais relaxado, contou detalhes dessa nova fornada estilística na qual inseriu elementos esportivos em sua haute couture. Confira a entrevista!

De volta ao line up da SPFW após pular uma temporada, Lino Villaventura bate um papo exclusivo com o ÁS sobre seu desfile na 43ª edição da SPFW (Foto: Marcelo Soubhia / FOTOSITE / Divulgação) foto: Marcelo Soubhia / FOTOSITE

Com uma primeira parte de volumosas peças brancas, seguida de uma série de pretos, uma com looks em ouro e outra com montagens incluindo xadrezes que esbarram num upgranding grunge, ficou claro que as referências esportivas subiram pela cabeça de Lino. Apesar disso, suas marcas continuam: as nervuras, volumes, drapeados, assimetrias, metalizados e cores como azul profundo, bordô, vinho, amarelo forte, um verde tão exuberante quanto militar. E, claro, o apreço pelo operístico. Ele conta: “Sou fruto de muitas referências, tenho sempre a presença de elementos vitorianos, eduardinos, românticos, do século 18, barrocos. E amo a verve teatral”.

Lino Villaventura na SPFW N43 (Foto: Marcelo Soubhia / FOTOSITE / Divulgação)

Essa levada lúdica fica clara quando se observa o tipo de modelo com quem o estilista costuma trabalhar. “Eu gosto de tops que digam alguma coisa diferente ao público, acho que o show não deve ser um mero bate-volta”. ÁS se interessa em saber quem são essas criaturas fantásticas as quais, ao longo desses mais de 20 anos de SPFW, magnetizaram sua atenção a ponto de contribuir na história de sua trajetória: “Você fez um desfile há poucas temporadas no qual celebrava sua carreira e quando Marina Dias performatizou a cena na escadaria. Quem são os modelos que te comovem?”

Ele entrega: “Ao longo dos anos, tive muitas modelos boas. A cena do beijo entre Alicia Kuczman e Isabel Hickmann [de uma apresentação a qual as duas encerravam num frenesi lesbian chique] foi realizada com duas moças que admiro. Mas, outras como Talytha Pugliese, Paula Schettino, Mariane Calazan, Vivi Orth e  a transgênero que agora abriu o desfile, a Marcela Thomé, me fazem total sentido! Chamei de novo o Goan Fragoso, outro modelo trans maravilhoso, que está fora do circuito nesta temporada; não tem como não adorar seu atual cabelo cacheado platinum, ao invés do liso que ele usava. Esses detalhes completam minha criação”.

Essa preocupação com o caráter interpretativo das modelos é reflexo da importância que Lino dá aos detalhes. Para ele detalhe é tudo: “Sou muito exigente, essa exigência é componente do meu processo de trabalho. Quem está comigo sabe disso”.

Bem verdade que, dessa vez, os bordados estão mais comedidos, não aparecem tão intensamente (para um padrão villavenuresco) nessa nova leva de montagens. Ainda assim, óbvio que alguns vestidos de festa muito rebordados continuam fazendo parte do menu degustação da grife. Mesmo assim, não são eles aqueles Lino Villaventura prefere destacar: “Veja a parte inicial do desfile, a sequência de looks brancos. O ponto de partida foi a camisa branca. Ver ela se desdobrar em volumes enormes, virar vestidos com assimetrias e retorcidos é um exercício criativo que tem tudo a ver com o que penso sobre moda”.

Brancos + pegada esportiva na nova coleção de Lino Villaventura: menos aplicações que de costume, mas, ainda assim, a marca do estilista presente na 43ª edição da SPFW (Foto: Sergio Caddah / FOTOSITE / Divulgação)

Ele ressalta também o orientalismo que está sempre presente em sua obra: “Dessa vez, claro, também incluí referencias japonistas. Mas isso tem a ver comigo desde criança. Meu pai amava objetos orientais e a casa da gente tinha essa levada de chinoiserie. Cresci nesse ambiente e é evidente que carrego isso comigo eternamente”.

De certa forma, neste desfile Lino retomou sua verve poética após algumas estações exibindo apresentações mais secas, com um rigor quase militar, apesar da exuberância de sua moda: “Olha, não sei se é militarismo, mas estive muito perplexo com tudo que aconteceu no Brasil nos últimos tempos. Isso se refletiu no meu trabalho. Agora, estou suave. A coisa não assentou no país, mas é possível vislumbrar caminhos e esse pensamento comparece hoje na minha roupa visceral”.

Lino Villaventura no Minas Trend – Verao 2017 (Foto : Marcelo Soubhia/ FOTOSITE / Divulgação)

Aliás, esse é o aspecto mais curioso de Lino: algum desavisado poderia supor que, por lidar com alta costura, ele vivesse à margem do cotidiano, como um criador siderado para o qual a vida mundana fosse tão desinteressante a ponto de sublimá-la. Nada isso. É justamente essa percepção clara do universo ao redor que lhe permite conceber loucuras que poderiam até parecer à parte da vida pelo resultado sublime. Não, é essa conexão minuciosa com o dia a dia que é combustível para sua veia criativa: “Olha, eu fiz aquele desfile há pouco tempo em que as botas eram faixas de gesso de quem quebrou a perna. O Brasil esteve engessado”, relembra.

ÁS fica curioso com a tônica esportiva dessa nova coleção: “Mas, e esse espírito sportswear que você trouxe agora? É consequência de um Lino esportista saradão que publica nas mídias sociais fotos durante o treino na academia?”. Ele ri: “Pode até ser. Mas, lembre, sou muito intuitivo…”

Lino Villaventura na SPFW N43 (Foto: Marcelo Soubhia / FOTOSITE / Divulgação)

Lino Villaventura na SPFW N43 (Foto: Marcelo Soubhia / FOTOSITE / Divulgação)

Lino Villaventura na SPFW N43 (Foto: Marcelo Soubhia / FOTOSITE / Divulgação)

Lino Villaventura na SPFW N43 (Foto: Marcelo Soubhia / FOTOSITE / Divulgação)

Lino Villaventura na SPFW N43 (Foto: Marcelo Soubhia / FOTOSITE / Divulgação)

Lino Villaventura na SPFW N43 (Foto: Marcelo Soubhia / FOTOSITE / Divulgação)

Lino Villaventura na SPFW N43 (Foto: Marcelo Soubhia / FOTOSITE / Divulgação)

Lino Villaventura na SPFW N43 (Foto: Marcelo Soubhia / FOTOSITE / Divulgação)

Lino Villaventura na SPFW N43 (Foto: Marcelo Soubhia / FOTOSITE / Divulgação)

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.