*Por Guilherme J. Foti

A cerimônia de premiação da 4ª edição dos Prêmios Platino de Cinema Ibero-Americano só vai a acontecer dia 22/06, na Caixa Mágica de Madri – famoso parque de esportes local-, mas o Brasil já está em polvorosa. O país concorre para as indicações finais com obras cinematográficas de peso, divulgadas pelo conselho de direção responsável pela primeira premiação global de cinema em línguas espanholas e portuguesas – Prêmios Platino -, que a cada ano aumenta de notoriedade, desde quando foi estabelecida há três anos (leia aqui). Estrelas ibero-americanas como Antonio Banderas, Sonia Braga, Eugenio Derbez, Leandra Leal, Ricardo Darín, Angie Cepeda, Guillermo Francella, Dolores Fonzi, Antonio de la Torre, Paulina García, Javier Cámara, Adriana Barraza e Joaquim de Almeida são alguns dos convidados para apresentar a cerimônia a cada ano, expandindo sua visibilidade.

Em sua 4ª rodada, os Prêmios Platino se consolidam a cada ano como uma significativa premiação da produção audiovisual mundial em línguas portuguesa e espanhola, aos poucos ocupando na cinematografia posição semelhante àquela que o Grammy Latino faz pela indústria fonográfica (Foto: Divulgação)

Desenhado por Javier Mariscal – designer valenciano radicado em Barcelona, que ganhou os holofotes globais quando concebeu Cobi, o mascote dos Jogos Olímpicos de 1992 -,  o cartaz dessa edição traz como protagonista o Cines Callao, uma das construções mais emblemáticas da capital espanhola. O artista também é o responsável pela criação do logotipo e do troféu da tão icônica premiação, vale comentar.

Pérola visual: criado pelo bamba do design gráfico Javier Mariscal, o cartaz oficial da 4ª Edição dos Prêmios Platino traz a estética neo retrô que flerta com o visual gráfico dos anos 1960. Foi também o artista quem concebeu o logotipo e o formato do troféu da premiação (Foto: Divulgação)

Mariscal ficou internacionalmente conhecido há 25 anos, quando foi escolhido pelo Comitê Olímpico espanhol para dar cabo de uma respeitável missão: criar o mascote dos Jogos Olímpicos de 1992, que puseram a até então deteriorada Barcelona no centro do Circuito Elizabeth Arden. Na imagem, ele posa ao lado de várias representações de Cobi, o cachorrinho que foi símbolo dessa edição das Olimpíadas (Foto: Reprodução)

E, para a movimentação cultural em torno da premiação ficar ainda mais forte, vai rolar em paralelo ao evento o VI Fórum EGEDA – FIPCA do Audiovisual Ibero-Americano durante toda a semana da cerimônia, com direito a projeção dos longa-metragens participantes. E, como cinema ibero-americano também é glam, a noite de gala será transmitida pela TNT, Canal Brasil e RTVE.

A saga amazônica “O abraço da serpente“, do diretor colombiano Ciro Guerra, foi a grande vencedora da 3ª edição dos Prêmios Platino, em 2016. Filmada em um preto & branco deslumbrante e concorrente ao Oscar de ‘Melhor Filme Estrangeiro’, a película ajudou a divulgar a premiação que agora chega à sua quarta temporada como uma importante plataforma de divulgação e reconhecimento da cinematografia em línguas portuguesa e espanhola (Foto: Divulgação)

Na pré-seleção deste ano, cento e quarenta e duas produções participantes passaram pelo crivo de diversas instituições cinematográficas de toda a América Latina, e agora, nesta segunda fase, o número foi reduzido para os cento e quatro que concorrerão às indicações finais.

Ao todo, o Brasil conta com onze produções concorrendo a vagas em diferentes categorias: encabeçando, duas produções prestigiadas, “Aquarius” e “Boi Neon”, concorrem  a ‘Melhor Filme de Ficção’. Na categoria ‘Melhor Atriz’, Gloria Pires (“Nise – o coração da loucura”) e  Sônia Braga (“Aquarius”) estão no ranking, e Fernando Alves Pinto (“Para minha amada morta”) e Juliano Cazarré (“Boi Neon“) concorrem a ‘Melhor Ator’. Dia 31 de maio será divulgada a lista dos finalistas, e até lá só resta aguardar.

Como um peão de rodeio cujo desejo é ser estilista,e sonha com lantejoulas e tecidos, Juliano Cazarré ganhou o mundo com “Boi Neon”, longa que questiona arquétipos da masculinidade que fez sucesso em festivais como Toronto e Berlim. Agora, o ator global concorre à vaga de ‘Melhor Ator’ nos Prêmios Platino, com boa chance de abiscoitar a estatueta. (Foto: Reprodução)

Já para ‘Melhor Primeira Obra de Ficção Ibero-Americana’, estão no páreo “Mate-me por favor”, de Anita Rocha da Silveira, “Cinema Novo”, de Eryk Rocha e “Curumim”, de Marcos Prado. Na categoria de Melhor Documentário, o Brasil concorre com “Menino 23: Infâncias Perdidas no Brasil”, de Belisário Franca.

Primeira série brasileira da Netflix, a distopia “3%” estrelada por Bianca Comparato pode ser um dos finalistas a ‘Melhor Minissérie ou Telessérie Cinematográfica Ibero-americana’ (Foto: Divulgação)

Para fechar, Gabriel Mascaro, por Boi Neon”, e Kleber Mendonça Filho, por Aquarius” são apostas na categoriaMelhor Direção’ e, na nova categoria dedicada à ‘Melhor Minissérie ou Telessérie Cinematográfica Ibero-americana’, o Brasil é representado por “3%.

Fernando Alves Pinto é pré-candidato a ‘Melhor Ator’ no Platino por “Para minha amada morta”, no qual encarna um viúvo que enfrenta dificuldades para criar seu filho, enquanto revive todas as noites a presença de sua esposa, tentando desviar das investidas de cunhada e driblar os atritos criados por sua sogra (Foto: Reprodução)

Estrela que quase arrebatou o prèmio de ‘Melhor Atriz’ por “Aquarius” na última edição do Festival de Cannes, uma magnética Sônia Braga pode levar para casa o reconhecimento em forma de láurea nesa 4ª edição dos Prêmios Platino. Sua personagem, Clara, última residente do edifício Aquarius enfrenta o assédio de uma empreiteira que comprou os demais apartamentos e que pretende construir lá um arranha-céu (Foto: Reprodução)

Gloria Pires concorre à vaga para ‘Melhor Atriz’ nos Prêmios Platino por “Nise – o coração da loucura”, que narra o legado da psiquiatra responsável por um boom artístico no Rio de Janeiro na década de 1950, quando esta decidiu lutar contra a ridicularização de colegas ao pretender expor obras criadas pelos pacientes do hospital psiquiátrico onde trabalhava (Foto: Reprodução)

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.