* Por Lucas Montedonio

Conhecida por sua arte viva, a artista plástica Paula Costa é precursora das obras feitas com flores e plantas bordadas. Agora, ela apresenta novo trabalhos: a intervenção em uma sardinha de papel machê, em homenagem aos três anos da marca de roupas Sardina, de Glorinha Marques, que traz o peixe como símbolo.

Paula Costa cria intervenção em papel machê na expô “Uma Sardinha Só Não Faz Verão” (Foto: Divulgação)

Com curadoria de Ema Klabin, na Lagoa, a expo “Uma Sardinha Só Não Faz Verão” acontece começa a partir dessa quinta-feira (30/11), com renda obtida com a venda das obras 100% revertida à Associação Projeto Roda Viva, instituição ajuda crianças carentes do morro do Borel, no Rio. Tudo a ver, afinal, o mar não está para peixe…

Por essa Gomes da Costa não esperava: Desentalada é a obra com amor, by Paula Costa, para a expo da Sardina (Foto: Divulgação)

A mostra, claro, é plural e conta com outras sardinhas de papier maché  customizadas por uma turma de responsa: o DJ e artista urbano Felipe Guga, Clara Veiga, Bel Trufas, Bossa, a arquiteta Carol WambierCerveja Praya, Gisela Pecego, Glaucia Leme, o restaurante Gula Gula, a stylist Bebel Moraes, Chris Laclau, Escola NovaNatasha Novis, NaTocaAlice e Gabi Gelli, Ana Ceppas, a designer Ana SoterHildeMadame, Ira Etz,  Koni, Maré, M.O.O.C., Natalia CoutinhoTeresa McCourtney, Tiza Rio de Janeiro, Trama Casa, e o food creator Thomas Troigros, entre outros. Só gente boa!

Bloco do azul & branco: sardinha da Clara Veiga (Foto: Divulgação)

Criação da próxima Sardina será doada para o projeto social Associação Projeto Roda Viva (Foto: Divulgação)

Em tempo: Paula Costa tem andado enérgica. Uma segunda obra também está em curso: uma instalação em homenagem ao pôr-do-sol. Fofo. Ela faz parte da série Transborda e é composta pelos famosos bordados da artista plástica, que inspiram uma reflexão sobre a passagem do tempo e a finitude. A instalação será apresentada na Casa Ipanema, nesse próximo sábado (2/12).

Uh,uh,uh, que beleza! Paula Costa posa sob rosas bordadas (Foto: Rafael Campos / Divulgação)

“Tenho a sensação de estar falando as mesmas coisas, em todas as profissões que tive e a cada trabalho que realizei. Acredito na soberania da vida e que toda arte, por mais bela que pareça, ainda seja uma evolução de meras pinturas rupestres”, poetiza Paula, que é formada em Comunicação e tem uma carreira bem-sucedida na moda. Ela passou por marcas como Farm, BB Básico, Mormaii, Uncle K, ainda assinando campanhas para Coca-Cola Jeans. “Minha maneira de afirmar minha passagem pelo mundo é aceitando o tempo de duração das coisas”, completa a moça, toda lânguida.

Serviço:

Uma Sardinha Só Não faz Verão

Avenida Epitácio Pessoa 1.084, Lagoa

30/11/2017, a partir das 18h

Casa Ipanema

Rua Garcia D’Ávila 77, Ipanema

2/12/2017, a partir das 17h

Paula Costa

www.paulacosta.art.br

* Nascido na cidade imperial de Petrópolis, o pianista amador ganhou o mundo ainda adolescente quando fez intercâmbio nos Estados Unidos. Nessa época sua terceira visão despertou e o moço se entregou ao budismo tibetano. Pura estratégia para dominar a vaidade interior. Estudou comissaria de bordo, mas preferiu o jornalismo e, hoje, entre retiros espirituais com rinpoches, encontros com lamas e entrevistas espevitadas, o sagitariano usa sua vocação para o tietismo como contraponto à eterna busca do santo nirvana.

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.