*Por Andrey Costa

A classe artística é mais uma das muitas a viver uma época difícil. Sob um governo segregacionista, que gasta seu tempo de gestão se preocupando com propagandas publicitárias inócuas, número de seguidores no Instagram e cor de roupa para menino e menina, o desprestígio é consequência. Porém, ainda é efervescente o retorno, também consequente e necessário, do protesto. Não na canção em si, mas no brado em geral. Não mais silenciados facilmente, há esperança na música.

Nessa falta de lugares à disposição para realizarem seus shows, reúnem-se em coletivo no Estúdio Fórum artistas independentes da cena underground carioca. O lugar fica num prediozinho com um quê de colonial espanhol, alocando o pub Grave e mais dois estúdios de ensaio – gravação (áudio e vídeo) e fotográfico -, e vêm suprindo a falta de espaços com preços justos na noite. Um verdadeiro “achado” em meio às inúmeras opções “hypadas” de rolê na zona sul do Rio. A cantora francesa Laure Briard, que está em turnê pelo Brasil (leia aqui) apresentou-se na noite de sábado (27/4) no local e ÁS foi conferir de pertinho o que torna o lugar, com ares de pub inglês, cenário de resistência.

Nos fundos, o pub Grave capricha nas delicinhas que variam entre comidinhas e comidonas, além de fazer graça com os drinks com base em café gelado (Foto: Andrey Costa para Ás na Manga)

Antes de Laure subir ao “palco” que já recebeu Elza Soares, o show de abertura ficou na responsabilidade na banda Chico de Barro, um quarteto formado por Nathanne Rodrigues (vocal e guitarra), Pedro Ryan (teclado), Pedro Martins (baixo) e Pedro Milleco (bateria). As influências? Bom, mais ecléticas do que todas as fases da Madonna juntas: do soft emocore à bossa rock cheia de psicodelismos, o som da banda em ação é endiabrado. Inclusive, a cantora francesa assistiu da plateia a desenvoltura do CDB, que rendeu coro até entre o público mais blasê. Rocks.

Chico de Barro abriu o show de Laure Briard no Rio de Janeiro (Foto: Andrey Costa para Ás na Manga)

Miss Briard, surgiu por volta das 21h e repescou hits dos seus EP’sCoração Louco” e “Sur la Piste de Danse“. Não se furtou ao arriscar conversas com a plateia, em português, reiterando que sua principal temática é levar o amor através das suas confessionais e entusiasmadas canções, numa referência direta ao governo francês e brasileiro. Também levantou um coro de “Un Peu Plus D’Amour, Si Vous Plait”, que automaticamente foi mesclado à “Um pouco de amor, por favor!”.

Larissa Conforto, girl boss que integrou a power band da tour de Laure, montou literalmente na bateria e fez o espaço trepidar junto ao músico francês Vincent Guyot, Danilo Selvagi e Helena Rosa, ambos do Hierofante Púrpura. A mensagem dos artistas foi dada: precisamos sim de mais amor, precisamos sim suportar uns aos outros. Precisamos de cultura, venha ela de onde for, mesmo que tentem boicotar. A arte seguirá resistindo.

Laure Briard toca o pandeiro no Estúdio Fórum (Foto: Andrey Costa para Ás na Manga)

Até o sportswear da moça é dos chiques: tênis em cetim rosa foi a aposta da cantora para o show no Rio (Foto: Andrey Costa para Ás na Manga)

Girls just wanna play rock! Helena Rosa integrou a banda de Laure Briard no show do Rio (Foto: Andrey Costa para Ás na Manga)

Danilo Selvagi (à esq.), Larissa Conforto (fundo) e Laure Briard (à dir.) no show que movimentou o Estúdio Fórum no sábado (Foto: Andrey Costa para Ás na Manga)

Serviço:

Grave

Endereço: R. Prof. Alfredo Gomes, 33 fundos – Botafogo

Horário: terça à sábado de 10h às 00h

Estúdio Fórum

Telefone: (21) 3251-7252

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.