* Por Lucas Montedonio

A releitura daquilo que era servido à família imperial é o que anda sendo degustado na 17ª edição do Petrópolis Gourmet, que traz 45 restaurantes participantes espalhados pelo município da Região Serrana do Rio de Janeiro. O festival gastrô, que vai até esta segunda (20/11), teve como tema “De volta às origens”, com sabores que fizeram a história da região a partir da abertura da Estrada Real, trazendo as culinárias portuguesa, alemã e italiana, e ÁS andou conferindo as novidades, algumas devem entrar nos cardápios fixos.

Coelho Real: Arroz de coelho com pêssegos caramelizados ao mel do Artesanal Gourmet (Foto: Divulgação)

A ideia de valorizar os produtos que eram consumidos na região já no século 19, revisitando pratos que vieram para o Brasil junto com a colonização europeia, funcionou. Para a confecção dos menus – sempre com entrada, prato principal e sobremesa – foi boa premissa não listar ingredientes obrigatórios e “deixar o bicho solto no quintal”. No entanto, a condição de que os chefs só usassem produtos existentes neste período de formação da cidade, como banana, pêssego, mel, frango, caça, suíno, embutidos, feijão, aipim, fubá, verduras e legumes, se não foi limitador, estimulou a criatividade.

Salteado de tiras de filé de frango orgânico com legumes estilo oriental da Locanda Della Mimosa (Foto: Divulgação)

Ragú de pato com purê de aipim ao leito de alho poró do Bistrô do Castelo (Foto: Divulgação)

Foi acerto dar aquele “passeio” pela história e cultura da região, resgatando o que se poderia classificar como “comida de verdade”, aquela que se encontra no quintal de casa, sem processo industrializados por trás. Samir El Ghaoui, presidente do Petrópolis Convention & Visitors Bureau, que coordena o evento, ressalta: “O mote central já é em si maravilhoso, trouxe valor agregado valorizando a comida do campo à mesa. Queremos esse retorno à tradição na gastronomia da cidade”.

Bacalhau à moda do chefe: Lombo de bacalhau com crosta de amêndoas e ervas e rosti de batata baroa do Bordeaux Ipiranga (Foto: Divulgação)

Costela de cordeiro grelhada com puré de aipim e geleia de pimenta do Buda Beer (Foto: Divulgação)

“O evento é um dos maiores incentivadores para chefs, restaurantes, hotéis e turismo da região. A ideia de trazer de volta os antigos banquetes, aos anos 1850, é incrível”, comemora o gastrônomo Barão Vieira: “É instigante pensar no que se comia na época, o que tinha na região, o que ela oferecia, o que o imperador deglutia!”, celebra.

Chefs do Petrópolis Gourmet (Foto: Divulgação)

Em tempo, comer é cuidar: o Petrópolis Gourmet conta com proposta social dentro de sua programação. Grande parte dos restaurantes participantes aderiram ao projeto ‘Cardápio Social’: a doação, por parte do consumidor, de R$ 2 sobre o preço do menu destinados para instituições da cidade. A iniciativa é fruto de uma parceria com o Instituto da Criança.

Serviço:

XVII Petrópolis Gourmet – “De volta às origens”

Facebook: www.facebook.com/petropolisgourmetoficial

Instagram: www.instagram.com/petropolisgourmet

www.petropolisgourmet.com.br

* Nascido na cidade imperial de Petrópolis, o pianista amador ganhou o mundo ainda adolescente quando fez intercâmbio nos Estados Unidos. Nessa época sua terceira visão despertou e o moço se entregou ao budismo tibetano. Pura estratégia para dominar a vaidade interior. Estudou comissaria de bordo, mas preferiu o jornalismo e, hoje, entre retiros espirituais com rinpoches, encontros com lamas e entrevistas espevitadas, o sagitariano usa sua vocação para o tietismo como contraponto à eterna busca do santo nirvana.

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.